Create ad!
Access personal area List of Properties

Date: 24/2/2020
Frequence: Daily
Editions: Free

News Search

Search

read more Agenda

07 May 13 To 11 May 13 Tektónica Moçambique

26 Oct 12 To 28 Oct 12 - Madrid - Palacio de Congresos de Madrid Salón de la Vivienda de Madrid

17 September 2015

Angola cria fundo com garantia soberana para construção de habitação

Print
Investimento

A informação consta de um decreto assinado pelo Presidente angolano, José Eduardo dos Santos, de 25 de agosto, justificando a criação do Fundo de Ativos para o Desenvolvimento Habitacional (FADEH) para "impulsionar o setor" e "criar um modelo de gestão mais eficiente e sustentável" para o Estado, em termos económicos e financeiros.

Este fundo, define-se no decreto, ao qual a Lusa teve hoje acesso, vai assumir os ativos imobiliários, de natureza pública, como habitação, espaços comerciais e lotes para construção, sob a superintendência do Ministério das Finanças.

"O FADEH deve mobilizar o financiamento bancário para a obtenção dos recursos financeiros necessários para o financiamento dos projetos habitacionais com garantia soberana [garantia do Estado nos empréstimos a obter]", lê-se no documento.

Além deste fundo agora criado - o montante necessário à sua execução não é revelado -, o Estado angolano avançou no final de 2014 com a entrega da gestão da construção e das vendas destas habitações, no âmbito de uma política social para o setor, à empresa Imogestin, que se mantém nesta operação.

Neste âmbito, o Presidente angolano anunciou em 2014 o lançamento da segunda fase da construção da centralidade urbana do Kilamba, uma cidade construída de raiz 30 quilómetros a sul de Luanda e que prevê 90 mil fogos.

Considerado um dos maiores do projeto do género em África, a cidade de Kilamba, inaugurada em julho de 2011, já conta com 20 mil apartamentos construídos, estando por isso concluída a primeira de três fases do projeto.

Em concreto, o Plano Diretor da Cidade do Kilamba, cuja construção está a cargo de empresas chinesas, abrange uma área de 54 quilómetros quadrados e prevê a construção de 710 edifícios, 24 creches, nove escolas primárias, oito escolas secundárias e 50 quilómetros de vias.

Estas novas centralidades, construídas de raiz em vários pontos do país, integram-se no Plano Nacional de Habitação e a sua aquisição, sobretudo por funcionários públicos, é anunciada pelo executivo como possível com preços controlados e mais acessíveis.

Source: Dinheiro Digital

Comment

Submit

The comments are always subject to previous approval. Comments that are offensive, defamatory, slanderous, discriminatory, and inadequate to the text that is being commented on, will not be placed online.